Rss Feed
  1. Texto Bom?

    segunda-feira, 28 de setembro de 2009

    Ler Veríssimo...

    Lendo Veríssimo cheguei a feliz conclusão que não é essencial muita coisa para escrever-se um bom texto... Não se faz necessário longas histórias, grandes heróis, lindas histórias de amor... Enfim, Veríssimo nos prova que a melhor história é a nossa!!

    Não digo textos totalmente realistas, mas nossa realidade pode ser literária, pode ser imaginária... (“realismo imaginário”, adoro essas coisas!)

    Muitos julgam ser bons textos quando o leitor entra no enredo, quando ele passa a vivê-lo... Quando ele chora ou ri, por que já passou por determinada situação!

    Existe situação mais fácil que englobar-se em uma história, sendo essa a nossa!

    Afortunado é quem consegue ver beleza em corriqueiras e humanas histórias...

    Veríssimo consegue de uma forma brilhante se aproxima do leitor, brilhante e simples..mais uma prova que as coisas brilhantes em sua maioria são simples,surpreendente é quando o autor pega uma fato comum,e relativamente gasto,como o amor e consegue dizer através dele coisas que não foram ditas,consegue nos surpreender,isso sim é brilhante!

    >>>>

    “Você, leitor, já deve estar sentido o que vai acontecer. Pare de ler, leitor. Eu não posso parar de escrever. As idéias não podem ser desperdiçadas, mesmo que nos custem amigos, a vida ou o sono. Imagine se Shakespeare tivesse se horrorizado com suas próprias idéias e deixado de escrevê-las, por puro comedimento. Não que eu queira me comparar a Shakespeare. Shakespeare era bem mais magro. Tenho que exercer esse ofício, esta danação. Você, no entanto, não é obrigado a me acompanhar, leitor. Vá passear tomar um sol. Uma das maneiras de controlar a demência solta no mundo e deixar os escritores falando sozinhos, exercendo sozinhos a sua profissão malsã, o seu vicio solitário. Você ainda está lendo. Você é pior que eu, leitor. Você tinha escolha.







    Luis Fernando Veríssimo, Comédias para se Ler na Escola, Sozinhos.

    |


  2. Aplausos Utópicos!

    domingo, 20 de setembro de 2009


    "Geração que não sabe aplaudir..."Édson Carlos

    Faço parte de uma geração que não sabe ... Não sabe!

    Geração que não enxerga a beleza de pequenas coisas, geração que reprime os singelos e verdadeiros sentimentos... Jovens sem ideais, sem heróis, sem sonhos utópicos a realizar... Contraditório?Pode ser... Mas o que é um sonho se não utopia, os sonhos são a prova que utopias podem ser realizadas, podem ser alcançadas, já que nos foi provado que eles podem ser reais...

    Juventude vazia... Que não tem mártires a seguir e muito menos está preocupada em gerar um para ser seguido...

    “Jovens, o futuro da nação” não existe frase mais hipócrita que essa... Se o futuro dependesse dessa geração ele não seria mais futuro e sim passado, um passado vazio, sem boas lembranças!Um passado que não sabe aplaudir!


    Geração que não sabe aplaudir... Geração que sabe gritar, fazer bagunça, reclamar, bater, roubar, comprar, lutar, matar... Mas que precisa com urgência aprender a aplaudir...

    Aplaudamos... Para que se viva melhor!


    Thali-.

    |


  3. Sempre...

    sexta-feira, 18 de setembro de 2009

    "Toda mulher gosta de rosas..."!



    #true!
    |


  4. Gosto não se discute?

    quarta-feira, 16 de setembro de 2009

    Será que gosto não se discute??

    Talvez não, porém gosto questiona-se... Sua origem, seus “porquês”.
    Difícil compreender como em plena aula de literatura, o professor no apogeu da explicação, praticamente alcançando um êxtase literário... Um “ser”, simplesmente abaixa a cabeça e dorme... Se fosse o caso da pessoa estar ali forçada, “por não gostar”,mas não, está ali porquê precisa daquilo...
    ...neste país a educação, a cultura que nos é transmitida não favorece muito a Literatura...principalmente a poesia...é ligeiramente fácil ver alguém lendo um romance,difícil mesmo é ver alguém lendo um livro de poesia...esse herói é logo considerado um louco....
    Nós que talvez um dia vamos ter a grande responsabilidade de criar uma criança,devemos nos cobrar a não apenas criar mais um, e sim cria um ser humano,realmente humano, e uma das maneiras de faze-lo é abrindo as portas para a literatura,recriar ao menos em nossas casas uma nova “cultura”..Pois um conto,uma prosa,um romance,uma poesia,aproxima mundos,aproxima vidas,faz as pessoas pensarem ,coisa que não temos visto muito!



    “Poesia não é jornal deve ser interpretada,entendida,subentendida...”
    Ana Cláudia Duarte


    Métrica ,rima ,ABBA, figura de linguagem, versos, estrofes, eufemismo, neologismo, subjetividade, expressividade,
    Metalinguagem, sentimentalismo,eu poético,objeto poético....
    Muito além de regras,muito mais que falar apenas de amor,amizade,desilusão,vida....
    Em um poema pode-se o que quiser,estar em qualquer lugar,amar e odiar na mesma palavra...



    Romântico:“uma eterna rejeição da realidade,valendo tudo para evadir o real”
    |


  5. Fonte da "Juventude" !

    domingo, 13 de setembro de 2009


    Ser velho... Ainda ter tempo para errar...
    Ser velho... Ter experiência o suficiente para não errar...

    Ser velho... Estar cansado da vida...
    Ser velho... Amar cada vez mais a vida...

    Ser velho... Um estorvo...
    Ser velho... A solução para muitos...

    Ser velho... Ter um corpo cansado...
    Ser velho... Ter uma das mais jovens almas...


    *

    Porque não se admira a beleza da senilidade?
    Todos nós teremos essa beleza um dia...
    A beleza de lindos cabelos alvos.
    Que tantas coisas nos traduz...
    Alvos,como a vida,como deveria ser a vida!

    Thali-

    *

    “O menino se olhou no espelho
    e do outro lado do espelho tinha um velho.
    O menino sorriu, o velho também.
    Ou o velho sorriu e o menino também?
    O velho do espelho sentia saudade do menino encantado
    E o menino se encantou com o velho saudoso do espelho.
    Importa é que sorriam.
    Ainda que o menino tenha visto um velho no espelho
    Ou que o velho tenha se visto no espelho um menino.”
    (Fernanda Medida Pantola)
    |


  6. Perguntas sem respostas...

    sexta-feira, 11 de setembro de 2009

    Dois Idiotas conversando...

    Idiota 1: -Você me ama?
    Idiota 2: -Amo!

    Idiota 1: -Porque..?
    Idiota 2: -Não sei,se soubesse de repente não amaria...
    *
    -Porque amas?
    -Não sei apenas amo...

    -Porque acreditas?
    -Não sei, apenas creio!

    Amor é como a fé... Não se pergunta o porquê, apenas acredita-se e sente-se...


    Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?
    (Fernando Pessoa)
    |